Nosso galinheiro

Face uma visita no nosso canal seja um inscrito para nos ajudar amém.

Anúncios

Face uma visita no canal

20181214_162621

Png

20181213_191333

Fotos png

Png

20181213_111016

Pastor é baleado na igreja ⛪

Igreja transmite em rede social momento em que pastor é baleado em culto em Mogi; assista https://g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/noticia/2018/11/12/igreja-transmite-em-rede-social-momento-em-que-pastor-e-baleado-em-culto-em-mogi-assista.ghtml

Extinção do dinheiro Físico

Fim dos tempos

http://verdademundial.com.br/2014/06/aaron-russo-rockefellers-sabiam-do-11-de-setembro/

Que amor de filha kkk

Meu amigo irmão João

Camila Barros

Tire suas próprias conclusões

Cantora Ozenilda Soares-Mais grato a ti

Vizite o site!

https://guiame.com.br/colunistas/marisa-lobo/gibi-viva-diferenca-e-uma-arma-poderosa-das-igrejas-contra-ideologia-de-genero.html

Israel propõe trégua na fronteira de Gaza

Luana Rodrigues

Luana Rodigues

Pr. Elizeu Rodrigues/2018

Pr.Elizeu Rodrigues-Anônimos e Avivados

Tire suas propria conclusão

8 defeitos de uma pessoa que a fastam de Deus

 

Sabe qual é a única pessoa que pode te impedir de viver perto de Deus e de conquistar tudo aquilo que Ele quer para a tua vida? Você. Não é aquela pessoa que faz questão de ser uma pedra no seu sapato, não é o patrão que não te dá oportunidades, nem mesmo o diabo.

Quando nós temos o desejo genuíno de nos aproximarmos de Deus, nada nem ninguém pode nos afastar d’Ele! Apesar disso, existem algumas atitudes erradas que nós podemos ter e que nos afastam de Deus e da Sua vontade para nós. Evite os seguintes comportamentos se você quer ficar bem perto de Deus!

1-Preguiça
A preguiça pode te impedir de conhecer melhor a Deus

Deus é um Deus de ação e por isso Ele se alegra quando vê que damos passos de fé e estamos prontos a agir. A Bíblia fala claramente contra a preguiça e o mal que ela pode causar nas nossas vidas (Provérbios 6:9-11).

A preguiça não prejudica apenas o nosso desenvolvimento pessoal e financeiro, mas pode ser fatal para a nossa vida espiritual. Por exemplo, a preguiça pode nos impedir de orar e de ler a Bíblia, o que nos deixa frios espiritualmente, ou seja, mais distantes de Deus.

Faça um esforço, estabeleça um plano e separe um tempo para orar e ler a Palavra. Não é sábio querer começar orando e lendo a Bíblia durante 2 horas, mas comece com 10 minutos por dia e vá aumentando aos poucos. Com o passar do tempo, Deus vai trabalhar na sua vida e você vai se sentir mais forte e mais perto d’Ele.

2-Fofoca
Fofocar é uma atitude reprovável na Bíblia

A fofoca é falar sobre aspetos da vida de uma ou mais pessoas sem o seu consentimento. Pode ser revelar segredos de alguém ou até mesmo inventar histórias sobre outras pessoas. Essa atitude normalmente causa discórdia e desunião entre as pessoas, e por isso é um pecado perante Deus. Por esse motivo, a Bíblia nos adverte a não fofocar (2 Timóteo 2:16) e a evitar pessoas fofoqueiras (Provérbios 20:19).

Mesmo que uma pessoa esteja cometendo um erro, falar sobre isso nas costas com outras pessoas não vai ajudar nessa situação. Deus conhece a intenção do nosso coração, e se queremos realmente ajudar, podemos falar diretamente com a pessoa, ou então simplesmente orar por ela. Se as nossas palavras não servem para edificar, é melhor não dizer nada (Efésios 4:29).

3-Inveja
A inveja nos impede de viver o melhor de Deus nas nossas vidas

A inveja é uma das obras da carne que são descritas em Gálatas (Gálatas 5:21), o que significa que é um pecado e algo que devemos eliminar das nossas vidas se queremos viver perto de Deus. Ter inveja de alguém é querer ter algo que não é nosso, e isso muitas vezes causa um sentimento de desgosto quando alguém é bem sucedido em determinada área da sua vida.

Um dos segredos da felicidade (e a melhor forma para combater a inveja) é o contentamento (Filipenses 4:12). Devemos dar graças a Deus em todas as circunstâncias e não cobiçar as conquistas dos outros. Isso não significa que você não deve lutar para melhorar as suas condições de vida, mas que você tem que aprender a glorificar a Deus mesmo quando as coisas não correm do jeito que você gostaria (Habacuque 3:17-18).

Você quer aprender a combater a inveja? Então leia aqui: como lidar com a inveja?

4-Egoísmo
Deus tem poder para mudar um coração egoísta

Alguém já te disse: “O mundo não gira à sua volta”? Se a resposta é sim, provavelmente você estava tendo um comportamento egoísta. O egoísmo faz com que pensemos apenas em nós próprios e não nos preocupemos com aqueles que estão à nossa volta.

O oposto de egoísmo é altruísmo e Jesus é o maior exemplo altruísta que podemos ter. Ele não pensou n’Ele próprio, mas pensou em cada um de nós, tendo ido até à cruz, onde morreu pelos nossos pecados, reconciliando com Deus todos os que acreditam no Seu sacrifício.

A Bíblia nos confronta a amar os outros como a nós mesmos (Mateus 22:39) e a considerar os outros superiores a nós (Filipenses 2:3-4). Mas para isso acontecer, temos que amar a Deus em primeiro lugar e deixar que o Seu amor perfeito transforme as nossas vidas, eliminando todos os vestígios de egoísmo.

5-Ganância
Quem é ganancioso entristece a Deus

A Bíblia é muito clara: o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Timóteo 6:10). Algumas pessoas interpretam erradamente esta passagem bíblica, dizendo que “o dinheiro é a raiz de todos os males”. Mas ter dinheiro não é o problema. O dinheiro é algo neutro: pode ser usado para fazer coisas boas ou más.

A Bíblia fala de vários homens com temor a Deus que eram bastante prósperos em termos de bens, como Jó e Abraão. O problema é quando nós amamos o dinheiro em primeiro lugar e não a Deus.

O próprio Jesus disse que não é possível servir a Deus e ao dinheiro (Lucas 16:13). Quando nós amamos o dinheiro, Deus perde a importância nas nossas vidas. Algumas das maiores atrocidades cometidas neste mundo são cometidas graças ao amor ao dinheiro.

Ame a Deus acima de todas as coisas e não deixe o dinheiro controlar a sua vida e sentimentos e dessa forma você estará mais próximo de Deus.

6-Ira descontrolada
A ira descontrolada e prolongada não é de Deus

Um momento de descontrole e ira pode ser suficiente para destruir vidas, a sua e a de outras pessoas. A ira em si não é um pecado, porque a Bíblia diz que é possível nos irarmos sem pecar (Efésios 4:26). Há momentos na nossa vida em que é normal nos irarmos com alguma situação. Até Jesus se irou quando viu que os mercadores faziam negócio na casa do Seu Pai.

O grande problema é quando a ira vem de forma prolongada e descontrolada. Quando a ira controla a nossa vida, nos afastamos de Deus. A mansidão é um dos aspetos do fruto do Espírito e através dela nós podemos impedir que a nossa ira se transforme em pecado.

A Palavra de Deus manda que sejamos pacificadores e mansos com as pessoas à nossa volta (Tito 3:2).

7-Imoralidade sexual
Quem pratica imoralidade sexual se afasta de Deus

O nosso corpo é o templo do Espírito Santo e quando praticamos algum tipo de imoralidade sexual está pecando contra o próprio corpo, profanando a moradia do Espírito Santo (1 Coríntios 6:18-19) e causando uma separação em relação a Deus.

A imoralidade sexual consiste em pecados sexuais. O sexo não é uma coisa má, foi criado por Deus para ser vivido entre duas pessoas casadas. Por ser o criador da sexualidade, Deus determina a maneira correta de ser vivida. Qualquer atividade sexual praticada fora do casamento é imoralidade sexual, ou seja, é pecado.

Precisamos viver cheios do Espírito Santo que nos concede o domínio próprio para conseguir resistir às tentações e fugir da imoralidade sexual.

8-Idolatria
A Bíblia condena a idolatria

Muitas pessoas não entendem o conceito de idolatria, dizendo que idolatria é apenas o ato de adorar alguma imagem ou outro Deus. Mas a verdade é que a idolatria pode ser algo bem mais sutil (e por isso mais perigoso). Idolatria é colocar alguma coisa ou alguma pessoa no lugar de Deus.

Um ídolo não necessariamente é uma estátua, pode ser o seu pai, mãe, marido, esposa, filho, filha, pastor, etc. Qualquer pessoa que assume a importância que só Deus merece ter está originando idolatria nas nossas vidas.

Podemos não nos curvar fisicamente perante outros deuses ou estátuas, mas muitas vezes colocamos a nossa esperança e a nossa confiança em coisas que não são Deus, como a estabilidade financeira ou mesmo a família. Deus não divide a Sua glória com ninguém, porque isso coloque Deus sempre em primeiro lugar na sua vida e Ele acrescentará tudo o resto que você precisar (Mateus 6:33)!

Para refletir
Depois de ler estes defeitos, será que há algum que faz parte da sua vida? Ore e peça a Deus para sondar o seu coração, pois Ele te conhece e quer estar bem perto de você. Se você se identificou em algum desses defeitos, peça perdão e volte para o Pai, que está de braços abertos para te receber!

Jesus casau e teve filhos?

Não, Jesus não casou nem teve filhos. Jesus se manteve solteiro durante toda sua vida. Não há nenhuma evidência real que Jesus foi casado ou teve filhos.

A idéia que Jesus casou e teve filhos vem de alguns manuscritos escritos vários séculos depois do tempo de Jesus. Esses manuscritos não são de confiança porque:

Foram escritos muito tempo depois – os manuscritos mais antigos que existem, sugerindo que Jesus era casado e teve filhos, foram escritos pelo menos 300 anos depois de Cristo, por pessoas que não tiveram nenhum contato com Jesus ou seus discípulos! Os manuscritos mais antigos dos evangelhos na Bíblia datam de poucas décadas depois de Cristo e os autores eram próximos de Jesus e dos apóstolos (2 Pedro 1:16).
São poucos – existe apenas uma cópia antiga de cada manuscrito que sugere que Jesus casou e teve filhos. Isso indica que não eram populares podem ser fraudulentos. Por outro lado, existem dezenas de cópias antigas dos evangelhos!
São inconsistentes – os manuscritos que dizem que Jesus casou e teve filhos têm vários erros sobre o tempo de Jesus e todos se contradizem sobre a vida de Jesus. Também apresentam filosofias que só surgiram muito tempo depois da vida de Jesus. Os evangelhos não se contradizem e são historicamente corretos.
São mal interpretados – muitos manuscritos nem sequer dizem que Jesus era casado! Escritores e “estudiosos” constantemente exageram seus achados para ganhar popularidade e vender bem. Eles chegam a inventar “revelações”, apresentando mentiras como verdades.

Existem muitos mais problemas com os manuscritos que dizem que Jesus era casado e teve filhos. Não temos razão para acreditar neles. Não há nenhum registro antigo de confiança que diz que Jesus casou e teve filhos.

O que a Bíblia diz sobre a família de Jesus?
A Bíblia não diz que Jesus era casado. A Bíblia fala sobre o pai, a mãe e os irmãos de Jesus mas nunca fala que ele tinha esposa ou filhos. Antes de morrer, Jesus garantiu o cuidado de sua mãe mas não fez nada para cuidar de sua suposta esposa (João 19:26-27). O silêncio total sobre a vida conjugal de Jesus nos evangelhos é sinal que ele não era casado.

Jesus era totalmente dedicado ao seu ministério. Ele não tinha tempo para se dedicar a sustentar uma família. Jesus sabia que iria ficar pouco tempo na terra (João 13:33). Formar família teria sido irresponsável, porque teria deixado sua esposa e filhos sem sustento.

Uma profecia sobre o Messias diz que ele seria morto e não teria descendentes (Isaías 53:7-8). O Novo Testamento diz que Jesus cumpriu essa profecia (Atos dos Apóstolos 8:33-35). Jesus não casou e não deixou descendentes.

Quem foi Maria Madalena?

Maria Madalena foi uma seguidora de Jesus. Ela ajudava a sustentar Jesus durante seu ministério. Maria Madalena ficou conhecida por ser a primeira pessoa que viu Jesus depois que ressuscitou.

Jesus se dedicou a tempo inteiro ao seu ministério. Ele não tinha outro emprego, que lhe desse dinheiro. Ele e os apóstolos viviam das ofertas de outros seguidores. Muita ajuda financeira veio de mulheres de posses, entre as quais Maria Madalena, de quem Jesus tinha expulsado sete demônios (Lucas 8:1-3).

Maria Madalena, junto com outras mulheres, seguia Jesus por onde ele ia para pregar. Ela estava presente quando ele foi crucificado, chorou sua morte e viu onde ele foi sepultado (Marcos 15:40-41). No domingo, Maria Madalena foi uma das mulheres que foi para o túmulo para ungir o corpo de Jesus.

Chegando ao túmulo, Maria Madalena viu que estava aberto e o corpo de Jesus não estava lá. Um anjo apareceu e contou a Maria Madalena e às outras mulheres que Jesus tinha ressuscitado (Mateus 28:5-7). Elas então foram contar aos apóstolos.

Pedro e João decidiram ir ver o túmulo vazio. Maria Madalena foi com eles e ficou para trás, chorando, quando foram embora. Então alguém lhe apareceu e perguntou porque ela estava chorando. Pensando que era o jardineiro, Maria Madalena explicou que alguém tinha roubado o corpo de Jesus. O homem chamou Maria pelo nome e ela olhou para ele e viu que era Jesus! – João 20:15-16

Maria Madalena, cheia de surpresa, se agarrou aos pés de Jesus. Ele deu a Maria Madalena a missão de contar aos discípulos que ele estava vivo (João 20:17-18). Maria cumpriu sua missão mas, de início os discípulos não acreditaram nos relatos dela e das outras mulheres. Depois, quando Jesus lhes apareceu, os discípulos viram que era verdade.

A Bíblia não fala mais nada sobre a vida de Maria Madalena.

Maria Madalena era prostituta?
A Bíblia não diz que ela era prostituta. Apenas diz que Jesus expulsou sete demônios dela. Ao longo do tempo, algumas pessoas misturaram a história de Maria Madalena com a história da mulher pecadora que ungiu Jesus e com a mulher adúltera que Jesus perdoou. Mas não existe razão na Bíblia para acreditar que eram todas a mesma pessoa. Maria Madalena não era a única mulher que seguia Jesus.

Maria Madalena se casou com Jesus?
Não, Maria Madalena não se casou com Jesus. Outros parentes de Jesus são mencionados e ela com certeza teria mais relevância na Bíblia se fosse esposa dele. Quando viu Jesus, Maria Madalena o chamou de Mestre (ou Professor), não de marido!

Havia muitas mulheres chamadas Maria e, para as diferenciar, se dizia com quem eram casadas, quem eram seus filhos ou de onde vinham. Se Maria fosse esposa de Jesus, essa seria a melhor forma de a diferenciar. Mas ela ficou conhecida como Madalena, porque vinha de um lugar chamado Magdala. Certamente havia mais de uma Maria em Magdala.

As lendas sobre seu casamento surgiram muito mais tarde, com histórias inventadas por pessoas que nunca conheceram nem Maria Madalena, nem Jesus, nem ninguém próximo de qualquer pessoa da Bíblia.

Quem foi Rebeca na Bíblia?

Rebeca foi a esposa de Isaque e a mãe de Jacó e Esaú. Ela foi escolhida por Deus para continuar a descendência de Abraão.

Rebeca e Isaque

Depois que Sara morreu, Abraão procurou uma esposa para seu filho Isaque. Abraão não queria que Isaque se casasse com uma mulher de Canaã, que servia a outros deuses. Por isso, ele enviou seu servo mais velho a sua terra natal para encontrar uma mulher entre seus parentes (Gênesis 24:1-4).

Quando o servo chegou à cidade, ele orou a Deus, pedindo um sinal para saber quem era a mulher certa. Nesse momento Deus lhe concedeu o sinal que tinha pedido: uma moça tirou água do poço para ele e seus dez camelos (Gênesis 24:19-21). A moça se chamava Rebeca e era parente de Abraão.

O servo deu presentes a Rebeca e ela contou tudo a sua família, que recebeu o servo em sua casa. O servo explicou que procurava uma esposa para Isaque e pediu para levar Rebeca. A família de Rebeca consentiu mas queria algum tempo para se despedir. O servo queria ir embora logo, por isso perguntaram a Rebeca se ela queria ir. Rebeca disse que sim, sem hesitar, então partiram (Gênesis 24:57-59).

Quando estavam chegando, um homem foi ao seu encontro. Rebeca perguntou ao servo quem ele era e ele disse que era Isaque. Então Rebeca se cobriu com um véu, por modéstia. Isaque se casou com Rebeca e a amou muito (Gênesis 24:65-67).

Rebeca e Jacó

Rebeca não podia ter filhos, então Isaque orou e, 20 anos depois, ela engravidou. Havia gêmeos dentro de Rebeca, que se empurravam dentro de sua barriga. Rebeca perguntou a Deus o que estava acontecendo. Ele lhe revelou que seus dois filhos iriam se tornar em duas nações e que o mais velho serviria ao mais novo (Gênesis 25:22-23).

Quando Rebeca deu à luz, o primeiro filho foi chamado Esaú, que significa peludo. O segundo filho saiu agarrado ao calcanhar do irmão. Ele ganhou o nome de Jacó. Esaú se tornou o favorito de Isaque, porque caçava e seu pai gostava de comer sua caça. Jacó, que era mais pacato e ficava mais em casa, era o favorito de Rebeca (Gênesis 25:27-28). Isso gerou muitos problemas na família.

Quando Isaque estava velho e cego, ele chamou Esaú para lhe dar a bênção de filho mais velho. Quando Esaú saiu para caçar comida para receber a bênção do pai, Rebeca chamou Jacó para tomar a bênção pelo engano. Ela preparou comida para Isaque, vestiu Jacó com as roupas de seu irmão e colocou peles de cabrito em seus braços para se parecer com Esaú (Gênesis 27:15-17). Jacó levou a comida a seu pai e o enganou, recebendo a bênção do filho mais velho.

Rebeca ouviu que Esaú ficou com raiva e queria matar Jacó. Então, ela disse a Isaque que Jacó precisava de uma esposa. As mulheres da região eram idólatras e causavam problemas, por isso Rebeca pediu para mandar Jacó para terra dela para encontrar uma esposa entre seus parentes, tal como o servo de Abraão tinha feito (Gênesis 27:46).

Rebeca salvou a vida de Jacó mas ela nunca mais o viu. Por causa de seu engano, Rebeca ficou sem seu filho favorito na sua velhice. Mas, no fim, Deus usou toda essa situação para abençoar Jacó, que se tornou pai das 12 tribos de Israel.

O que é o dia do Senhor?

O dia do Senhor é um dia de julgamento e justiça divina. O dia do Senhor normalmente se refere ao fim dos tempos. O dia do Senhor é também um nome para o domingo.

Várias profecias da Bíblia falam sobre o dia do Senhor. Esse dia está sempre associado ao julgamento e à retribuição (Obadias 1:15). No dia do Senhor os pecados serão punidos e Deus estabelecerá a justiça. Será um dia de destruição de tudo que é ruim e exaltação de tudo que é bom. Nesse dia, Deus será louvado por Sua justiça.

O dia do Senhor é o dia do Juízo Final. Cada um terá de prestar contas diante de Deus por aquilo que fez. Jesus voltará e a terra será destruída (2 Pedro 3:10). Quem ama e segue Jesus será poupado nesse dia mas quem não é salvo receberá o castigo de seus pecados. Será um dia terrível mas para os salvos será um dia de esperança e restauração (Joel 2:30-32).

Quando será o dia do Senhor?

A Bíblia diz que o dia do Senhor virá como um ladrão, quando não esperamos (1 Tessalonicenses 5:2). Por isso, não podemos saber quando vai acontecer. O dia do Senhor pode vir a qualquer momento, então devemos estar preparados.

 

Para não sermos apanhados de surpresa no dia do Senhor, devemos nos esforçar para viver como Deus quer, obedecendo a Ele e rejeitando o pecado (2 Pedro 3:11-14). Assim, não seremos envergonhados nesse dia.

O domingo é o dia do Senhor?

Sim, em Apocalipse 1:10 o dia do Senhor significa domingo. Os primeiros cristãos deixaram de observar o sábado mas se reuniam no primeiro dia da semana para louvar a Deus. O domingo foi escolhido porque foi o dia em que Jesus ressuscitou. Por isso, o domingo ficou conhecido como o dia do Senhor.

A agonia na Cruz

Jesus entrou em agonia no Getsemani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a precisão de um clínico.

O suar sangue, ou “hematidrose”, é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais: para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo.
O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus. Tal tensão extrema produz o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra. Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus.

Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos. Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura.
Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor. As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue.

Depois o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo).
Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado.
Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da Cruz; pesa uns cinqüenta quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário.

Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheia de pedregulhos. Os soldados o puxam com as cordas. O percurso é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas.
Quando ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega, e lhe esfola o dorso.

Sobre o Calvário tem início a crucificação. Os carrascos despojam o condenado, mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz.

Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata. Cada fio de tecido adere à carne viva: ao levarem a túnica, se laceram as terminações nervosas postas em descoberto pelas chagas.

Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim. O sangue começa a escorrer.
Jesus é deitado de costas, as suas chagas se incrustam de pé e pedregulhos.

Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz. Os algozes tomam as medidas.

Com uma broca, é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos. Os carrascos pegam um prego (um longo prego pontudo e quadrado), apoiam-no sobre o pulso de Jesus, com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente. O nervo mediano foi lesado.
Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos: provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas.
O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, o encostam-se à estaca vertical.
Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz sobre a estaca vertical. Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera.

A ponta cortante da grande coroa de espinhos penetram o crânio.

A cabeça de Jesus inclina-se para frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira. Cada vez que o mártir levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor. Pregam-lhe os pés.

Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir. Tem sede.

Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara, uma esponja embebida em bebida ácida, em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz. Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai se acentuando: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos, se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis, em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço, e os respiratórios. A respiração se faz, pouco a pouco mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianítico.
Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais se esvaziar. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita.

Mas o que acontece? Lentamente com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços. Os músculos do tórax se distendem.
A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial.

Por que este esforço? Porque Jesus quer falar: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por ele na cruz: cada vez que quer falar, deverá levar-se tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável! Atraídas pelo sangue que ainda escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas.

Todas as suas dores, a sede, as câimbras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?”. Jesus grita: “Tudo está consumado!”. Em seguida num grande brado diz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. E morre. Em meu lugar e no seu.